O projecto de linha de montagem para a Costa do Marfim foi divulgado pelas agências internacionais a partir de Yokohama, no Japão, onde decorreu, na passada semana, a VII Conferência Japão-África (TICAD), de 28 a 30 de Agosto, onde foi igualmente anunciada a intenção da construtora nipónica para fazer o mesmo em Angola, embora neste caso apenas na forma de anúncio noticiado pelos media nacionais que acompanharam João Lourenço.

Segundo a Angop, o presidente da Toyota, disse estar em cima da mesa a intenção de investir cerca de 200 milhões de dólares para criar uma linha de montagem em Angola, quase ao mesmo tempo, no dia 29 de Agosto, que era assinado o documento a oficializar o projecto para a Costa do Marfim, entre o ministro dos Transportes costa-marfinense, Amadou Koné, e o CEO da Toyota, Ichiro Kashitani.

Enquanto para Angola existe apenas uma declaração de intenção, segundo a imprensa angolana que esteve em Yokohama, no VII TICAD, a Costa do Mafim já confirmou que vai ser o 4º país onde o gigante automóvel nipónico, a seguir à África do Sul, Quénia e Egipto, terá presença industrial no continente africano.

No entanto, segundo a Angop, o diplomata japonês, à saída da audiência com o Presidente João Lourenço, apenas afirmou que no encontro forma tratados assuntos relacionados com a cooperação bilateral.

"Temos vários projectos em andamento e estamos a trabalhar para o incremento da cooperação", disse o embaixador, sem se referir à questão da linha de montagem.

No entanto, recorde-se, aquando da deslocação ao Japão, João Lourenço foi convidado para uma visita oficial a este país em 2020, onde este assunto poderá observar desenvolvimentos, porque Tóquio está claramente empenhado em apostar no continente africano através de múltiplos projectos para os quais terá disponível uma verba superior a 20 mil milhões USD, estando, já em Angola a desenvolver alguns, nomeadamente o da expansão do porto do Namibe, avaliado em mais de 600 milhões USD.