Tudo isto lembra uma outra saga, a de ódio entre os movimentos de libertação nacional, na incessante diligência para anular ou mesmo eliminar fisicamente o Outro. Foi aí que se começou a temperar o aço com o propósito de exclusão de quem se colocasse do outro lado da barricada. E este é um passivo que, mais do que custar caro ao país já naquele momento, foi o mote para outros descalabros que custaram inúmeras vidas.

(Leia esta crónica na íntegra na edição semanal do Novo Jornal, nas bancas, ou através de assinatura digital, disponível aqui http://leitor.novavaga.co.ao e pagável no Multicaixa)