(...)

Com a Independência, Angola alargou o acesso à Educação, mas o Ensino Superior é ainda frequentado por uma camada restrita vinda das classes económica e culturalmente mais providas, embora existam alguns mecanismos de incorporação de membros das classe mais modestas.

(...)

A melhoria da formação educacional do povo angolano permitirá diminuir resistências no desenvolvimento, na medida em que permite aos cidadãos compreender os processos em causa, alargando-lhes as possibilidades de intervenção na sociedade.

(Leia o Especial Informação sobre as Elites Angolanas na edição semanal do Novo Jornal, nas bancas, ou através de assinatura digital, disponível aqui http://leitor.novavaga.co.ao e pagável no Multicaixa)