Mohamed Diao Diallo, cidadão de origem da Guiné-Conacri e proprietário do estabelecimento, relatou ao Novo Jornal que os marginais estavam armados e se faziam transportar em duas carrinhas.

(Leia este artigo na íntegra na edição semanal do Novo Jornal, nas bancas, ou através de assinatura digital, disponível aqui http://leitor.novavaga.co.ao e pagável no Multicaixa)