Os 11 militares, afastados das Forças Armadas Angolanas (FAA) e sem salários há cinco anos, foram detidos quando realizavam, segundo a Polícia Nacional, uma "manifestação violenta" na Avenida Deolinda Rodrigues, junto à unidade militar do Grafanil, na província de Luanda.

Segundo a Polícia Nacional, que convocou uma conferência de imprensa para esta manhã, os ex-militares protagonizaram actos de "assuada e danos materiais" durante a manifestação que exigia o ingresso na PN.

"Os actos de alteração à ordem e tranquilidade públicas consistiram na queima de pneus, troncos de árvores, colocação de pedregulhos na via e quebra de vidros de viaturas que circulavam na zona», disse Hermenegildo de Brito, porta-voz do Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional.

A PN informou que os 11 ex-militares detidos serão presentes a tribunal para o julgamento sumário na próxima segunda-feira, dia 05 de Agosto.

Os 11 detidos fazem parte de um grupo de mais de 2.000 ex-militares, oriundos de várias províncias do País, que no princípio do ano se manifestaram no portão do Regimento da Polícia Militar, em Luanda, reclamando da demora dos cinco anos sem colocação na PN, bem como os seus salários de cinco anos em atraso desde que foram afastados das Forças Armadas Angolanas.